14/12/2017 - Quinta-Feira

Caso do Mês de Dezembro 2017

Paciente feminina, 79 anos relata emagrcimento há cerca de 3 meses, artralgia em membros superiores e inferiores.
Apresenta USG com achado de "lesoes pancreaticas" realizado há 3 dias do presente estudo


Indicação: ULRASSONOGRAFIA COM LESÕES PANCREÁTICAS – CISTOS?


Laudo da RM de Abdome Superior

Fígado de volume global preservado e contornos regulares, exibindo discreto e difuso decaimento do sinal parenquimatoso na sequência T1 fora de fase, por infiltração gordurosa.
Não foram configuradas lesões hepáticas focais ou que demonstrem comportamento hipervascular.
Vesícula biliar ausente. Relato de colecistectomia prévia.
Não há sinais de dilatação das vias biliares intra e extra-hepáticas.
Baço homogêneo e com dimensões normais.
Existe uma volumosa formação expansiva cística, multiloculada, de crescimento predominantemente exofítico, originando-se no corpo/cauda pancreáticos, com dimensões nos maiores eixos transversal, anteroposterior e longitudinal aferidas em aproximadamente 9,4 x 7,1 x 5,7cm. Esta lesão se caracteriza por inúmeras formações císticas pequenas, menores de 2,0cm, preenchidas por um conteúdo líquido homogêneo e significamente hiperintenso em T2, margeadas por várias septações internas finas e que demonstram realce predominantemente tardio após contraste. Destacamos ainda a presença de uma cicatriz central estrelada e que demonstra baixo sinal em T2 e reforço também tardio após contraste, inferindo fibrose. Há facilitação à livre movimentação da água, o que corrobora o seu conteúdo cístico. O aspecto sugere um cistoadenoma microcístico seroso originário do corpo pancreático.
Em função das elevadas dimensões da lesão, ela determina efeito de massa sobre o estômago, talvez restringindo inclusive sua distensibilidade.
A porção restante do corpo e a cabeça do pâncreas apresentam tamanho normal e sinal usual.
O ducto pancreático ventral drena uma papila acessória (variante do normal). O ducto pancreático principal dorsal tem calibre normal em toda a sua extensão.

 

CISTOADENOMA SEROSO DO PÂNCREAS

O cistoadenoma seroso do pâncreas (ou adenoma microcístico) é um tipo raro de neoplasia pancreática cística benigna. Normalmente, ele se apresenta como uma massa multiloculada e lobulada na região da cabeça pancreática.

 

PATOLOGIA

Os cistoadenomas serosos pancreáticos são neoplasias benignas compostas por numerosos cistos pequenos que estão dispostos em forma de favo de mel. Pode haver variações significativas no tamanho (1-20 mm).

A maioria dos cistos individuais são tipicamente

Existem três padrões morfológicos:

policística: 70%
favo de mel: 20%
oligocística (variante macrocística): <10% (os cistos podem ser maiores que 20 mm)

Os cistos são revestidos por epitélio plano ou cúbico, rico em glicogênio e separado por septos fibrosos que saem de uma cicatriz central que pode estar calcificada. As lesões podem ser grandes (~ 5 cm).

ACHADOS RADIOLOGICOS

Raio X

Não é específico e pode estar será normal
Pode exibir calcificação central amorfa no pâncreas


Ultrassom

Massa hipoecoica inespecífica na região da cabeça pancreática, possivelmente com ecos internos indicando microcistos (o subtipo oligocítico pode demonstrar cistos identificáveis ​​individualmente).

Tomografia Computadorizada:

Apresenta massa multiloculada e lobulada na cabeça pancreática às vezes descrita como um "cacho de uvas".
Os cistos únicos são normamente Pode estar presente uma cicatriz central caracteristica que pode mostrar a calcificação estrelada associada (presente em ~ 20% dos casos).


RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
Cistoadenomas serosos geralmente aparecem como um conjunto de pequenos cistos dentro do pâncreas. Não há comunicação visível entre os cistos e o ducto pancreático.

As características do sinal incluem:

T1: Sinal tipicamente baixo.

T2: A cicatriz fibrosa central (se presente) é de sinal baixo, enquanto os componentes císticos são de sinal alto.

T1 C + (Gd): Os septos fibrosos podem apresentar realce.

ANGIOGRAFIA

Pode exibir realace dos componentes hipervascularizados.


TRATAMENTO E PROGNÓSTICO


A maior parte das lesões é obsorvida sem tratamento. São lesões benignas e não se repetem se ressecadas.


DIAGNÓSTICOS DIFERENCIAIS

Os diagnósticos diferenciais de imaem incluem:

Tumor mucinoso papilar intradutal do pâncreas: comunica com ductos pancreáticos.
Pseudocisto pancreático.
Neoplasia cística mucinosa do pâncreas (por exemplo, cistoadenoma mucinoso).
A calcificação tende a ser periférica.
Geralmente unilocular.
Se tipo multilocular, os cistos individuais tendem a ser > 20 mm de tamanho

Ax T2 FS

COR T2

DWI

FASE ARTERIAL